Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
Coronavírus: Preso de grupo de risco pede para não deixar a cadeia após advogado tentar prisão domiciliar
Condenado por estupro, homem de 65 anos disse que deseja permanecer preso em Maringá, no norte do Paraná, até que a pandemia amenize. Justiça ainda vai decidir sobre a solicitação. Por medo da Covid-19, preso se recusa a deixar a cadeia Um preso da Colônia Penal e Industrial de Maringá (CPIM), no norte do Paraná, declarou que não quer deixar a unidade e ir para prisão domiciliar mesmo após o advogado dele entrar com um pedido na Justiça. O detento, de 65 anos, justificou que se sente mais seguro preso. A defesa do idoso apresentou o pedido por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus - em razão da idade, ele se enquadra no grupo de risco. Até a publicação desta reportagem, a Justiça não tinha decidido sobre a solicitação. O detento soube do pedido pela assistência social do presídio, ao ser chamado para ser ouvido no processo. “Declaro que o advogado que me representa fez um pedido de prisão domiciliar sem me consultar, contra a minha vontade”, diz o preso, em uma declaração assinada na sexta-feira (3). O homem está preso há 12 anos e 9 meses, por estupro de vulnerável. Na unidade onde está, de regime semiaberto, ele trabalha na cozinha. Presos por crimes graves vão para regime domiciliar por risco de coronavírus Paraná tem 466 casos confirmados da Covid-19 e 14 mortes “Quando falei que ele poderia ter que sair, por causa desse pedido da defesa, ele ficou visivelmente contrariado. Quase chorou”, diz Osvaldo Machado, diretor da CPIM. “É uma situação que a gente não esperava”, diz. De acordo com a declaração, entregue à Justiça, o preso diz que não se sentiria seguro contra a doença fora da prisão. “Neste momento, não desejo sair desta CPIM pelo motivo de me sentir em maior segurança na unidade devido a possibilidade de contágio pelo vírus (...). Esclareço que indo para minha residência terei contato com pessoas que necessitam sair de casa e podem ser um meio de contato da doença”. O detento finaliza a declaração dizendo que deseja “permanecer na unidade até que a situação de pandemia amenize, prezando pela minha vida e saúde”. O advogado Rodrigo Alves de Oliveira, responsável pelo pedido de soltura, disse que não esperava a reação contrária. “É uma situação estranha”, diz. Segundo ele, a suspeita é que o detento tenha receio de perder a vaga na CPIM, ao final da pandemia. “Ele estava na PEM (Penitenciária Estadual de Maringá). Geralmente, esse tipo de preso teme perder a vaga na CPIM”, diz. Oliveira diz que ainda vai se reunir com o preso para discutir a situação. Mais de 2,5 mil presos deixam cadeias Mais de 2,5 mil presos em delegacias e presídios do Paraná foram autorizados pela Justiça a cumprir prisão domiciliar por causa do risco de contágio do novo coronavírus. A estatística consta em um relatório do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), de 16 de março até a sexta. Uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 17 de março, orientou que os tribunais e juízes adotassem medidas preventivas à propagação da Covid-19 nas cadeias, como a liberação para a prisão domiciliar de condenados, mesmo em regime fechado, que se enquadram em grupos de risco. Até a sexta, nenhum caso da Covid-19 tinha sido registrado em cadeias no estado, segundo o Depen. Veja mais notícias da região no G1 Norte e Noroeste.
Tue, 07 Apr 2020 02:29:39 -0000
Mais de 100 toneladas de lixo são retiradas no canal da tv. Três de Maio, em Belém

Limpeza é prevenção a alagamentos na área. Mutirão ocorre em outros canais da capital. Mais de 100 toneladas de lixo são retiradas no canal da tv. Três de Maio, em Belém Reprodução Mais de 100 toneladas de lixo já foram retiradas limpeza no canal da Travessa Três de Maio. O mutirão de limpeza conta com mais de 200 homens que atuam na limpeza manual do canal. Máquinas também estão sendo utilizadas para fazer a retirada de entulho da área. O balanço parcial da ação, que começou na sexta-feira (3), foi divulgado nesta segunda-feira (6). Desde o dia 18 de março, 1,5 mil trabalhadores, divididos em 75 equipes, executam ações emergenciais de limpeza em canais das quatro maiores bacias hidrográficas da cidade de Belém. O objetivo da ação é promover a limpeza e remoção de entulho, além da limpeza de margens de canais, para minimizar os efeitos das chuvas que podem continuar em um nível considerável durante o mês de abril.
Tue, 07 Apr 2020 02:22:06 -0000
Empresa júnior da UFC cria site de doações para pessoas afetadas pela Covid-19, no Ceará
Além de doações, é possível ficar informado sobre o vírus, sintomas, formas de prevenção e informações diárias sobre os números de casos confirmados. Uma empresa júnior de desenvolvimento de software do Campus de Russas da Universidade Federal do Ceará desenvolveu um site de informações e prevenção ao novo coronavírus onde também é possível realizar doações para pessoas ou famílias que estejam em situação de vulnerabilidade econômica ou solicitar ajuda para si mesmo ou terceiros. Acesse para ajudar No site, é possível fazer o cadastro em uma das três opções: "posso ajudar", "eu preciso" e "conheço alguém que precisa". As pessoas inscritas para receber o auxílio ficam em uma lista por meio da qual interessados em ajudar possam entrar em contato com elas. O estudante do curso de engenharia de software Luís Otávio Caminha disse que a intenção inicial era criar um site para disponibilizar explicações sobre o vírus, sintomas, formas de prevenção e informações diárias sobre os números de casos confirmados, contudo, a equipe percebeu que "era possível ir além e criar uma aba para doações". Ele resume a iniciativa: "em suma nosso site está voltado para isso. Iniciamos o processo de divulgação recentemente e estamos buscando parcerias de doações em troca de divulgação no site", explicou. A empresa Include Jr é formada por estudantes dos cursos de ciência da computação e engenharia de software do Campus de Russas. Atualmente o grupo é formado por 10 alunos de graduação, sob orientação do Professor Dmontier Aragão, do curso de engenharia de produção.
Tue, 07 Apr 2020 02:19:34 -0000
Veja as últimas notícias sobre o coronavírus no Amapá

Duas mortes em decorrência da Covid-19 foram confirmadas no estado. Macapá, Santana e Oiapoque têm pacientes testados positivos. Veja as últimas notícias sobre o coronavírus no Amapá Duas mortes em decorrência da Covid-19 foram confirmadas no estado. Macapá, Santana e Oiapoque têm pacientes testados positivos. Estado tem 2 mortes, mais de 30 confirmados e 600 pacientes estão em investigação. Serviços afetados pelo coronavírus no Amapá; veja lista. Governo prorroga decreto que suspende aglomerações e atividades não essenciais. Coronavírus: o que é preciso saber? Veja perguntas e respostas
Tue, 07 Apr 2020 02:11:37 -0000
Coronavírus: AP tem 39 casos confirmados e 2 mortes; 613 pacientes estão em investigação

São 7 novos casos confirmados no estado. Boletim do governo do Amapá foi divulgado às 22h30 desta segunda-feira (6). Confira as últimas notícias sobre o coronavírus no Amapá Hellen Souza/Arte-G1 Mais 7 pacientes testaram positivo para o novo coronavírus no Amapá, segundo o boletim do governo do estado divulgado na noite desta segunda-feira (6). Ao todo, são 39 casos confirmados de Covid-19. Destes, um homem e uma mulher morreram por complicações da doença desde sábado (4). Entre os casos confirmados nesta segunda-feira está o mais jovem registrado no estado, um homem de 24 anos, do município de Santana. Os 7 pacientes são homens e mulheres com idades entre 24 e 62 anos; a maioria dos casos são em Macapá. Confira a seguir os dados informados: Confirmados: 39 casos (35 em Macapá, 3 em Santana e 1 em Oiapoque) Mortes: 2 casos (1 em Macapá e 1 em Santana) Curados: 4 casos (todos em Macapá) Suspeitos: 613 casos Descartados: 312 casos A primeira morte no Amapá, anunciada no sábado, foi de um homem de 60 anos que apresentava quadro de pneumonia e doença pulmonar. Após o ocorrido, o Hospital de Emergência (HE) de Macapá, aonde o paciente estava internado em isolamento, passou por desinfecção. A segunda morte confirmada por Covid-19 é de uma mulher de 34 anos, de Santana. Ela era do grupo de risco pelo histórico de obesidade e hipertensão, chegou a ser internada na UTI do Hospital Estadual de Santana, onde morreu na madrugada de sexta-feira (3), após uma infecção bacteriana. O resultado do exame dela só foi feito no sábado, confirmando a infecção pelo novo coronavírus. Dez dos 16 municípios têm suspeitas em investigação à espera de exame comprobatório; entre eles foi incluído na lista o município de Serra do Navio, e Ferreira Gomes teve os casos descartados. Municípios com casos suspeitos até esta segunda-feira Macapá - 498 Santana - 75 Oiapoque - 11 Serra do Navio - 9 Calçoene - 7 Porto Grande - 6 Laranjal do Jari - 2 Pedra Branca do Amapari - 2 Tartarugalzinho - 2 Vitória do Jari - 1 Nesta segunda-feira, o Brasil registrou mais de 12,2 mil pessoas infectadas pelo novo coronavírus e supera 560 mortes pela Covid-19. REGRAS: Decreto suspende serviços por mais 15 dias MAPA DO CORONAVÍRUS: Confira as cidades infectadas pelo país DÚVIDAS: Veja mais de 40 perguntas e respostas GUIA ILUSTRADO: Conheça mais sobre o Covid-19 As primeiras amostras para análise foram enviadas para o Instituto Evandro Chagas, em Belém. Agora já são realizados exames para detecção do Covid-19 no Lacen do Amapá, e em um laboratório particular contratado pelo governo. No dia 28 de março foi confirmado o 1º caso de transmissão local no estado, uma mulher de 36 anos. Em Macapá, atualmente, as UBSs Lélio Silva, no bairro Buritizal, na Zona Sul, e Marcelo Cândia, no bairro Jardim Felicidade, na Zona Norte, são referência no atendimento a pacientes suspeitos do novo coronavírus, porque é onde estão os materiais para coleta de amostras para exames. Comércio e outros serviços fechados Na sexta-feira (3), foi assinado novo decreto que manteve a suspensão por mais 15 dias de atividades comerciais e de lazer com objetivo de restringir a circulação de pessoas no estado. Confira a seguir quais atividades ficam suspensas, segundo o decreto: estabelecimentos comerciais, comércios ambulantes e informais; feiras; shopping centers; cinemas; clubes de recreação e clubes sociais; buffet, bares, restaurantes, lanchonetes, sorveterias; academias de ginástica; boates, teatros, casas de espetáculos, casas de shows, centros culturais, circos; clínicas de estética; balneários públicos e privados com acesso ao público; lojas de conveniências; casas lotéricas; eventos religiosos em templos ou locais públicos, de qualquer credo ou religião, inclusive reuniões de sociedades ou associações sem fins lucrativos; estádios de futebol, ginásios e quadras poliesportivas e/ou qualquer local esportivo que tenham aglomeração de pessoas; agrupamentos de pessoas em locais públicos. Não são afetadas as atividades ligadas à área da saúde (estabelecimentos médicos, hospitalares, laboratórios de análises clínicas, farmacêuticos, farmácias de manipulação, psicológicos, clínicas de fisioterapia e de vacinação humana) e de segurança pública (Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Procon). Deverão manter as "atividades predominantes" empreendimentos como distribuidoras, revendedoras ou indústrias de alimentos, medicamentos, produtos de limpeza e higiene, água, gás, postos de combustíveis, supermercados, o "minibox", batedeiras de açaí, delivery, açougues, peixarias e padarias. Porém, é vedado o consumo no local. Os restaurantes em hotéis, por exemplo, que atendam somente hóspedes, poderão funcionar com mesas separadas pela distância mínima de dois metros entre elas. O decreto define ainda que as instituições de segurança pública deverão fiscalizar o cumprimento das novas regras, "podendo aplicar as sanções previstas nas legislações específicas". Em Macapá, a prefeitura determinou que os bancos deverão atender por agendamento e a frota de ônibus atua com 30% do efetivo. Coronavírus: infográfico mostra principais formas de transmissão e sintomas da doença Infografia/G1 Initial plugin text Para ler mais notícias do estado, acesse o G1 Amapá.
Tue, 07 Apr 2020 02:06:03 -0000
VÍDEOS: JRO 2ª edição de segunda-feira, 6 de abril de 2020

Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Rondônia. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Rondônia.
Tue, 07 Apr 2020 01:58:31 -0000
Depois de idas e vindas, ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, diz que fica no cargo
Numa segunda-feira de idas e vindas sobre a permanência de Mandetta à frente do Ministério da Saúde, o vice-presidente Hamilton Mourão também disse que Mandetta permanece no cargo. Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, diz que fica no cargo Numa segunda-feira de idas e vindas sobre a permanência de Luiz Henrique Mandetta à frente do Ministério da Saúde, o vice-presidente Hamilton Mourão disse no início da noite que Mandetta permaneceria no cargo. Pouco depois, o próprio ministro confirmou que fica. O Palácio do Planalto não se manifestou sobre o assunto. O presidente Jair Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada e, como de costume logo cedo, desceu para falar com apoiadores. Sem mencionar Mandetta, um deles falou que, como técnico de um time, Bolsonaro pode trocar quem está fazendo gol contra. O presidente fez sinal de positivo com a mão. Era o início de um dia de forte especulação sobre a queda de Mandetta. E saiu sem falar com a imprensa. No Palácio do Planalto, o presidente recebeu parlamentares pela manhã. E na hora do almoço decidiu reunir cinco ministros envolvidos no combate ao coronavírus, como Braga Netto, da Casa Civil. Mas não chamou seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que está na linha de frente desde o início. Bolsonaro preferiu chamar Osmar Terra, seu ex-ministro da Cidadania, deputado federal, aliado de Bolsonaro e visto por grupos que apoiam o presidente como um possível sucessor de Mandetta. No início da tarde, Mandetta discutiu ações para o combate ao coronavírus com procuradores do Ministério Público Federal. Tudo fechado. E a coletiva diária sobre as medidas contra a pandemia mudou de formato. De novo. Desta vez ocorreu sem a presença de Mandetta ou outros ministros. Bolsonaro decidiu marcar uma reunião no mesmo horário com ministros e diretores de bancos públicos para falar sobre os próximos passos do governo no combate à Covid-19. Mandetta compareceu ao encontro e não falou com jornalistas nem foi visto em público. Enquanto isso, funcionários do Ministério da Saúde desceram para a portaria para homenagear o ministro. O vice-presidente Hamilton Mourão disse ao blog da Andréia Sadi que “Mandetta segue no combate, ele fica”. Disse que a reunião tratou de cenários como a flexibilização do isolamento no futuro. À tarde, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, ligou para o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e disse que a saída de Mandetta atrapalharia a relação com o Parlamento. O Palácio do Planalto não se manifestou sobre a situação do ministro. Depois de um dia de tensão e dúvidas, o ministro Mandetta deu uma entrevista no Ministério da Saúde para dizer que fica no cargo até o fim da Covid-19. Ele foi aplaudido por um grupo de funcionários do ministério que o esperava e chegou levando apoio político, com deputados da Frente Parlamentar da Saúde e também com representantes do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde. Mandetta falou das críticas que têm recebido, comentou também sobre a especulação ao longo do dia sobre a possibilidade de ser demitido, admitiu que ficou apreensivo em vários momentos, mas afirmou que permanece no cargo. “Gostamos da crítica construtiva. O que nós temos muita dificuldade é quando em determinadas situações a crítica não vem no sentido de construir, mas vem para trazer dificuldade no ambiente de trabalho. E isso tem sido uma constante. O Ministério da Saúde adotar uma determinada linha, adotar uma determinada situação, e temos muitas vezes que voltar, fazer contrapontos, para podermos reorganizar a equipe, que fica numa sensação de angústia. Hoje foi um dia que rendeu muito pouco trabalho aqui no ministério. Ficou todo mundo com a cabeça meio avoada, sem saber se eu ia permanecer, se eu ia sair. Agradeço a muitos que vieram em solidariedade: ‘Se você sair, vamos sair juntos’. Gente limpando gaveta, até as minhas gavetas vocês ajudaram a fazer a limpeza. Nós vamos continuar, porque continuando a gente vai enfrentar o nosso inimigo. O nosso inimigo tem nome e sobrenome. É o Covid-19. Nós temos uma sociedade para tentar lutar, para tentar proteger. Médico não abandona paciente. Eu não vou abandonar. Agora, as condições de trabalho que os médicos precisam têm que ser para todos. Eu vou tentar trazer as melhores condições para vocês na ponta. E a única coisa que a gente está pedindo que nós tenhamos o melhor ambiente para trabalhar dentro do Ministério da Saúde”, afirmou. O ministro da Saúde reforçou a importância de manter o isolamento social e destacou que é preciso tomar decisões de saúde pública baseadas na ciência. “Eu sempre coloquei que a gente tem condicionantes. Enquanto não tivermos regularização de estoque de EPI, enquanto não tivermos uma previsibilidade de colocação de respiradores, de ventiladores, enquanto não tivermos as condições de mudarmos as recomendações, nós reforçamos que devem ser seguidas as orientações dos senhores governadores dos estados. Nós temos alguns parâmetros. Esses parâmetros vão sendo gradativamente incorporados à sociedade, que precisa entender que a movimentação social é tudo que esse vírus, que é o nosso inimigo, quer. As favelas são numerosas, as favelas são históricas. Além de serem de muito complexidade, é onde as pessoas se identificam com a sua casa. E elas têm todo o direito de saber aonde elas querem viver”, afirmou. Mandetta disse também que conta com a imprensa para atravessar esse período. “Esperamos que a gente possa ter paz para poder conduzir. Enquanto essa paz estiver colocada, a gente conta com a colaboração dos órgãos de imprensa. Eu não atendi nenhum de vocês nem ontem nem hoje. Durante o dia foram milhares de centenas de pedidos. Então, eu só espero que a gente possa, com essa equipe, nós vamos atravessar, nós vamos trabalhar. Todo mundo aqui tem uma noção de Brasil muito forte”, disse.
Tue, 07 Apr 2020 01:57:11 -0000
Voluntários produzem máscaras e aventais descartáveis para o Hospital Divina Providência em Porto Alegre

Meta do grupo para o mês de abril é de 60 mil aventais e 40 mil máscaras. Todo o material é recebido através de doações. Voluntários se unem para produzir aventais e máscaras para hospital de Porto Alegre Arquivo pessoal O Hospital Divina Providência, de Porto Alegre, formou uma rede de voluntários que produzem máscaras e aventais para os profissionais de saúde, diante do aumento da demanda devido ao novo coronavírus. Através de convocação nas redes sociais, mais de 1 mil pessoas se juntaram à força-tarefa. De acordo com a coordenadora da hotelaria do Divina Providência, Elisangela Calvi, a ideia surgiu logo após de reuniões com os profissionais da saúde do hospital para falar sobre os atendimentos de pacientes com suspeita de Covid-19: “Percebemos que a demanda de equipamento de proteção individual (EPIs) estava muito alta no mercado e o pessoal estava com dificuldade em adquirir. Vimos quais eram os materiais preconizados pela Anvisa para a produção e começamos os pedidos de doações”, diz. Na primeira semana, foram produzidos 800 EPIs. A meta para o primeiro mês de produção é de 60 mil aventais e 40 mil máscaras. As peças usadas pelos profissionais da saúde do hospital, e também serão destinados conforme necessidade para outros três hospitais da Rede de Saúde Divina Providência no Estado, que atendem 100% pelo SUS. Os hospitais ficam nos municípios de Estrela, Arroio do Meio e Progresso, no interior do Rio Grande do Sul. O Hospital Divina Providência de Porto Alegre é filantrópico. Os materiais para a produção, tecidos como TNT e SMS, elásticos, linhas, velcro e punhos são enviados diretamente para a casa dos voluntários com todas as recomendações de higiene. Uma dessas voluntárias é a estilista Eduarda Galvani, proprietária de um ateliê de moda em Porto Alegre. "A gente produziu 50 aventais. É bem fácil, não é nada complicado, mas tem que ter todo o cuidado, toda hora tem que estar higienizando.” Os 15 funcionários do ateliê estão em home office, pois a maioria possui máquina de costurar em casa. Quatro pessoas estão ajudando na produção, inclusive a própria empresária e sua avó, Celina Bona, de 78 anos. "Ela trabalha comigo desde o início, foi uma das minhas inspirações pra começar. Ela sempre trabalhou com moda, na verdade, com costura e principalmente com tingimentos, há mais de quase 40 anos. Ela é uma pessoa chave no ateliê”, comenta Eduarda. Outro voluntário é o publicitário e também costureiro Victor Gyurkovitz, de Porto Alegre. Desde o início da pandemia no Brasil, o jovem tinha o desejo de ajudar, mas não sabia por onde começar. A publicação do Hospital Divina Providência nas redes sociais o ajudou a encontrar um pontapé inicial. Também nas redes sociais, o publicitário se juntou a uma amiga na produção dos aventais. "Eu senti que além de ficar em casa, eu tenho a sorte de ter um trabalho que posso trabalhar em home office. Eu queria uma forma mais prática de ajudar os profissionais da saúde. Como costuro já tem um tempo, costuro roupas pra mim e em breve estaria lançando uma marca, pensei que a melhor coisa a se fazer neste momento é produzir material de segurança para quem está cuidando da gente no hospital. Foi isso que me moveu, em colocar as máquinas pra funcionar nesse tempo de pandemia” , comenta. Quem quiser ajudar ou doar materiais, deve consulta o site da instituição.
Tue, 07 Apr 2020 01:57:00 -0000
Funcionários do comércio e da indústria do Rio vão ter turnos de trabalho diferentes
Decreto da prefeitura visa evitar aglomerações no transporte público. Funcionários do comércio e da indústria do Rio vão ter turnos de trabalho diferentes A partir desta terça (7), funcionários do comércio e da indústria do Rio de Janeiro vão ter turnos de trabalho diferentes. A prefeitura baixou um decreto para evitar aglomerações no transporte público. No terminal de Santa Cruz, bairro na Zona Oeste do Rio, trabalhadores de serviços essenciais que iam embarcar no BRT, o sistema de ônibus com corredor exclusivo, formavam filas enormes com aglomeração. A cena se repete em outros terminais da cidade. Nas barcas, os passageiros também dizem que está impossível manter o distanciamento, reclamam do transporte lotado e da falta de higienização. Para impedir aglomerações na volta pra casa, a Prefeitura do Rio quer diminuir o número de passageiros. Pelo menos dos que precisam do transporte na mesma hora. A partir desta terça (7), trabalhadores da indústria e do comércio, que continuam autorizados a funcionar, vão ter horários diferentes de trabalho e, consequentemente, de usar os trens, o metrô e os ônibus. Pelo decreto publicado nesta segunda, a indústria tem que começar o trabalho antes das 6h. Já os estabelecimentos comerciais só podem abrir as portas depois das 9h. O horário restrito vale, por exemplo, para os supermercados, hortifrutis, lojas de materiais de construção e de gás de cozinha. Mas há exceções: padarias, farmácias, postos de combustível, lojas de conveniência e bancas de jornal podem abrir mais cedo. A prefeitura voltou a pedir ajuda para os motoristas não circularem com o ônibus cheios. “Senhor motorista, por favor, não pare o ônibus se estiver com bancos lotados. Pare o ônibus se entrar uma multidão. O senhor tem toda autoridade para parar o ônibus e esperar chegar mais um pra dividir os passageiros”, disse o prefeito Marcelo Crivella. O Rio vai manter todas as medidas restritivas e de isolamento adotadas até agora e ainda não há uma data para terminar.
Tue, 07 Apr 2020 01:56:51 -0000
Morre aos 90 anos o fotógrafo Hélio de Oliveira, autor de mais de 100 mil imagens de Goiás

Segundo a família, Hélio estava internado na UTI há 42 dias após cair do sofá e bater a cabeça no chão. O acidente doméstico desencadeou uma hemorragia no cérebro e outras complicações, como uma parada cardíaca, que ele não aguentou. Hélio de Oliveira Arquivo / O Popular O fotógrafo Hélio de Oliveira, de 90 anos, morreu após uma parada cardíaca nesta segunda-feira (6), em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde estava internado há 42 dias para tratar de um acidente doméstico. Segundo o filho Hélio Júnior, o pai caiu do sofá e bateu a cabeça no chão. O acidente doméstico desencadeou uma hemorragia no cérebro e outras complicações, como a parada cardíaca, que ele não aguentou. "Ele estava bem, mas caiu do sofá e bateu a cabeça no chão. Teve uma hemorragia intracraniana e por causa da idade não pode fazer cirurgia. Nesta segunda-feira ele sofreu uma parada cardíaca e não aguentou", explicou hélio Júnior. O filho do fotógrafo, Hélio Júnior, informou que o enterro será na terça-feira (7), às 14h, no Cemitério Santana, no bairro Campinas, em Goiânia. Já o velório está marcado na Fênix, em frente ao cemitério Parque, com duração prevista de quatro horas. Hélio de Oliveira chegou em Goiânia aos 5 anos de idade com os pais, após se mudar de Buriti Alegre. Ele deixa quatro filhos, sete netos e três bisnetos. Cine Teatro Goiânia, Goiás Hélio de Oliveira/ Secult Carreira O fotógrafo passou 10 anos pelo jornal O Popular, em que ele conta que foi contratado por Câmara Filho, após fazer uma pauta como teste. "Fui até a sede e falei com o Câmara Filho e ele disse que eu cumprir uma pauta e que, se gostassem do serviço, eu ficaria", disse em entrevista ao jornal, em março de 2018. O acervo fotográfico de Hélio de Oliveira conta com mais de 100 mil imagens da formação de Goiânia e do estado. Fotografou inúmeras obras de construção da capital e foi o primeiro profissional da área no Palácio Pedro Ludovico Teixeira. Meninos brincam no trampolim do Lago das Rosas, na década de 1950, em Goiânia, Goiás Hélio de Oliveira/ Divisão de Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura Na entrevista ao Popular, ele disse que ficou por 40 anos na sede do governo. "Fui o primeiro fotógrafo do Palácio", ressaltou. Desde o governador Pedro Ludovico Teixeira, nos anos 1950, Hélio esteve ao lado de todos os governadores até Marconi Perillo. A obra de Hélio de Oliveira pode ser vista em dois volumes intitulados "Eu vi Goiânia Nascer", de sua autoria. Veja outras notícias da região no G1 Goiás.
Tue, 07 Apr 2020 01:55:14 -0000

This page was created in: 0.01 seconds

Copyright 2020 Oscar WiFi

This website or its third-party tools use cookies, which are necessary to its functioning and required to achieve the purposes illustrated in the cookie policy. By closing this banner, scrolling this page, clicking a link or continuing to browse otherwise, you agree to the use of cookies. If you want to know more or withdraw your consent to all or some of the cookies, please refer our Cookie Policy More info